Mostrando postagens classificadas por data para a consulta meu ponto de vista. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por data para a consulta meu ponto de vista. Classificar por relevância Mostrar todas as postagens

Nós vivemos num mundo de pessoas estressadas, que por qualquer coisa, às vezes até insignificante, estão prontas para agredir com palavras duras, PELAS REDES SOCIAIS; isso quando já não partem para a agressão física. E não são só os adultos que agem assim. As crianças de hoje, por qualquer coisa banal estão se agredindo verbalmente e fisicamente, com socos e pontapés.

Sou Jornalista Radialista locutor animador e diretor de programação Com registro profissional TRT-1899 desde dos 19 anos e tenho observado que a cada ano que passa, o problema da agressividade e dos palavrões tem aumentado consideravelmente entre as crianças que convivem com a "cultura da violência", seja ela verbal ou fisicamente, na rua, na escola, ou na própria família. E a televisão, juntos com a internet, com certeza dá a sua grande parcela de contribuição, para que essa situação se agrave cada vez mais.

Mas agora, falando para nós, que somos cristãos, que deveríamos ser o "sal da terra" ou o "perfume suave", quantas vezes já fomos indelicados, estúpidos, grosseiros, usando palavras que feriram corações e causaram tristeza e desânimo para aqueles que estariam precisando de bálsamo para a alma? Estamos tão acostumados com notícias de violências, que já nem nos impressionam mais, quando crianças, jovens e velhos são vítimas dessa onda avassaladora que atingem a todos.

Mas poucos ficam sabendo sobre a violência silenciosa que atinge as famílias, destruindo os relacionamentos de seus membros, quando deveria reinar a paz, a solidariedade, a compreensão, o amor e a felicidade! É em nosso lar, que mostramos quem realmente nós somos, o nosso verdadeiro rosto, sem fingimento, sem máscaras! Estou sendo delicado com a família, nos momentos em que os ânimos estão alterados e as emoções descontroladas ou estou colocando mais "lenha na fogueira"? Estou dando respostas dura, usando palavras indelicadas, com tom de voz agressivo, que até os anjos se retiram de nossas casas, para não terem que ouví-la ?

"As palavras bondosas são como o mel: doce para a alma e saúde para o corpo". Provérbios 16: 24.
Estamos usando palavras como: "muito obrigado"; "por favor", "seria possível", "me dá licença", "que comida gostosa que você fez querida","como você está linda (o)", e a palavra que deixa qualquer um nas nuvens "eu te amo"! A nossa vida não seria muito melhor e mais feliz se usássemos todos os dias, em nosso local de trabalho e principalmente em nosso lar, essas palavrinhas mágicas? Deus nos deixou conselhos maravilhosos em sua Palavra, e um deles nós encontramos em Provérbios 15: 23: "Saber dar uma resposta é uma alegria; como é boa a palavra certa na hora certa"! Quantos corações não seriam feridos e machucados se seguíssemos esse conselho divino! Devemos pensar muito ao abrir a nossa boca para dar respostas, ou dizer alguma coisa que irão causar tristezas, ódios, desavenças, brigas, separações e trevas para o caminho daqueles que talvez já seja cheio de espinhos, pelas circunstâncias da vida! Você tem revidado palavras duras com a mesma moeda? Você tem ficado irado, sem controle de suas emoções, no local de trabalho, com seus amigos ou mesmo em sua casa? Não se estresse, pois "Quando o tolo é ofendido, logo todos ficam sabendo, quem é prudente faz de conta que não foi insultado".

Provérbios 12: 16. Meu querido amigo e amiga, que a nossa boca possa ser "um manancial de vida" (Prov. 10: 11), para todos aqueles que convivem conosco ou para aqueles que apenas cruzarem o nosso caminho! Provérbios 15: 1.

Para entender como alguém lê, é necessário saber como são seus olhos e qual é a sua visão do mundo”.

O ponto de vista que alguém sustenta acerca dos diversos assuntos que lhe são desafiados a opinar está diretamente vinculado à posição que ele ou ela ocupa no campo social. Ponto de vista tem a ver com lugar de fala; e, se estamos posicionados em lugares diferentes, por suposto termos opiniões distintas a respeito das mesmas questões.

Ao referirmo-nos a campo social, subjazem condicionantes como história de vida, experiências sociais, individuais e psicológicas relevantes e o modo de lidar com elas, a cultura, a religião e a tradição onde estamos imersos, a classe socioeconômica e a geração de onde provimos, que demarcam necessariamente nosso juízo. Não se é lícito cobrar neutralidade de alguém na medida em que a condição humana é hermenêutica: 

inarredavelmente, a interpretação recebe influxos da experiência. O fato de nenhuma opinião ser idêntica a outra pelo simples fato de nenhuma posição social ser inteiramente coincidente com outra é a razão da diferença e da divergência que compõem essencialmente o pluralismo das democracias modernas.

A diferença e a divergência, todavia, não inviabilizam a comunicação intersubjetiva, pois, a partir de um pano de fundo compartilhado de significados, nos é alcançável a concórdia em meio à controvérsia. Mas, para que o consenso aconteça, é necessário que todos esses pontos de vista singulares sejam levados devidamente em conta. 
" Não pretendemos que as coisas mudem se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e empresas, porque ela traz progresso. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura.

É nas crises que nascem as inversões, os descobrimentos e as grandes estrategia. Quem supera a crise supera a si mesmo sem ficar superado. Quem atribui a ela seus fracassos e suas penúria violenta seu próprio talento e respeita mais os problemas do que as soluções. A verdadeira crise é a crise da incompetência.

O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise, não há mérito. é nela que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promove-la, e cala-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para supera-la"

Eu nunca acreditei na inveja, pois para mim jamais fizera sentido alguém sentir inveja de mim, nada tenho a oferece, não sou rico.. apenas trabalho para sobreviver.

Após um tempo, fui obrigado a acreditar que a inveja existi sim, e que algumas pessoas não precisam de que você seja rico para lhe invejar, bastam-lhes ser somente como SOS. Qualidades, colocar a mãos nas coisas e dar certo causa inveja em quem não sabe lutar, crescer dói, pois quando criança não enxergamos a maldade, a falsidade no coração das pessoas, crescer nos mostra que tem mais gente empenhada em nos destruir de alguma forma que nos ajudar, o mais intrigante é que quem sente inveja de você se diz invejado por alguém, ou até mesmo por você.

A inveja cega tanto quem a sente que o faz amargo, rancoroso, desconfiado, pois assim como ele, na cabeça dele todos podem ser traiçoeiros, todos podem querer seu mal, a pessoa invejosa se faz de vítima, quer ser digna de pena e atenção, é insegura, por não saber lutar só se alimenta de quer puxar tapetes a todo custo, geralmente não conseguem, porque todo invejoso escolhe as pessoas mais fortes espiritalmente para tentar derrubar.

Durante esta minha análise sobre a real existência da inveja vi que há variados graus desta, hora fraca, geralmente vem daqueles que estão por perto, estes a sentem e não percebem. A moderada, a pessoa sabe que a sente, mas tenta contornar, e por fim a forte.. essa é a que mais vejo, e foi citada acima.. triste realidade, essas pessoas acabam dedicando sua vida apenas a destruir, e de graça.. essas pessoas me lembrou o Dick Vigarista do desenho A Corrida Maluca.

O Dick passava mais tempo tentando prejudicar os oponentes que de fato tentando vencer a corrida. É cliché, mas quanto mais distância puder tomar de pessoas como essas, melhor!!!
Você já deve ter cruzado na rua com pessoas “doidas” falando sem parar ou resmungando consigo mesmas. Isso não tem nada de diferente do que acontece com você e com outras pessoas “normais”, exceto que vocês não falam alto. A voz comenta, especula, julga, compara, desculpa, gosta, desgosta, etc. A voz não precisa ser relevante para a situação do momento, pois ela pode estar revivendo o passado recente ou remoto, ou ensaiando, ou imaginando possíveis situações futuras. Neste último caso, ela imagina sempre as coisas indo mal e com resultados desfavoráveis. É o que se chama de preocupação. Às vezes, essa trilha sonora é acompanhada de imagens ou “filmes mentais”.

Mesmo que tenha alguma relação com o momento, a voz será interpretada em termos do passado. Isso acontece porque a voz pertence à mente condicionada, que é o resultado de toda a nossa história passada, bem como dos valores culturais coletivos que herdamos. Assim, vemos e julgamos o presente com os olhos do passado e construímos uma imagem totalmente distorcida. Não é raro que a voz se torne o pior inimigo de nós mesmos. Muitas pessoas vivem com um torturador em suas cabeças, que as ataca e pune sem parar, drenando sua energia vital. Essa é a causa de muita angústia e infelicidade, assim como de doenças.

VOCÊ NÃO É A SUA MENTE:
Boa notícia é que podemos nos libertar de nossas mentes. Essa é a única libertação verdadeira. Dê o primeiro passo nesse exato momento. Comece a prestar atenção ao que a voz diz, principalmente a padrões repetitivos de pensamento, aquelas velhas trilhas sonoras que você escuta dentro da sua cabeça há anos. É isso que quero dizer como “observar o pensador”. É um outro modo de dizer o seguinte: ouça a voz dentro da sua cabeça, esteja lá presente, como uma testemunha. Seja imparcial ao ouvir a voz, não julgue nada. Não julgue ou condene o que você ouve, porque fazer isso significaria que a mesma voz acabou de voltar pela porta dos fundos. Você logo perceberá: lá está a voz e aqui estou eu, ouvindo-a e observando-a. Sentir a própria presença não é um pensamento, é algo que surge de um ponto além da mente.
Quando criança eu tinha a mania de me sentir sempre injustiçado. Por um ou outro motivo, não me tinham feito justiça, sem perceber que, para mim, a “injustiça” era sempre qualquer restrição feita aos meus desejos, fantasias e vontades.

E invariavelmente arrebentava em lágrimas de protesto.

Um dia papai me chamou e disse:
Meu filho, vamos combinar uma coisa. Você sabe que papai não gosta de ver você triste, não é? Então nós vamos fazer o seguinte: cada vez que você chorar, escreva num papel a causa. Coloque o papel no vaso azul, ali, sobre a escrivaninha. Deixe passar alguns dias e leia-o. Se achar que o assunto ainda o está aborrecendo, venha a mim, conte-me o caso e eu lhe prometo que corrigirei a injustiça que tiverem feito contra você. Combinado?

Estava combinado. Nos primeiros dias eu enchi o vaso azul de anotações. Passadas no preto e branco, minhas queixas me pareciam perfeitamente justificadas.

Passaram-se os dias e meu pai voltou a falar comigo.

Você já pode começar a reexaminar os seus papéis. Depois venha falar comigo.
Comecei. Mas, estranhamente, constatei que minhas queixas eram banais e que, na realidade, não havia naquilo nada que pudesse motivar aborrecimento.

Abreviei o espaço dos dias e, depois, passei a examinar os papéis horas depois dos acontecimentos.

Verifiquei que não tinha nenhuma injustiça a exigir a reclamação de papai. E parei de chorar várias vezes ao dia, como estava acostumado a fazer.

Hoje compreendo que tudo foi uma brincadeira de papai. Todavia, com grande habilidade ele me levou a refletir antes de agir. E desenvolveu em mim a compreensão a respeito do que é justiça e injustiça em face do nosso egocentrismo, exigência de privilégios e pretensões descabidas.

Com isso meu espírito de tolerância ganhou uma amplitude que me tem beneficiado ao longo de toda a vida.
O estado brasileiro ficou impotente, diante do alto índice de criminalidade. Os meliantes são audaciosos não temem mais, as fragilizadas leis do obsoleto código penal. Portanto, nos dias de hoje no nosso bagunçado país, na banalização dos fatos criminais, o crime vem compensando na abominável impunidade. Afinal, esses destemidos desordeiros não respeitam mais, nem mesmos os policias e o lento poder judiciário.
Existem momentos que o silêncio é o melhor argumento, Existem palavras que não precisam ser ditas, mas apenas sentidas. 

Na minha simplicidade espero apenas a felicidade, sou de paz, e faço do silêncio minha arma de proteção, meu argumento, minha defesa, minha sinceridade e meus sentimentos em forma de palavras mudas .

Não gosto de confusão, nem de conversas bobas. Procuro viver bem com todos, e não me oprimir por aquilo que não vai mudar nada em mim , o que é certo é certo sempre terá o meu apoio , o que é errado tem apenas o meu distanciamento e o meu jeito de viver a vida sem carregar pesos desnecessários.
ANTENA LIGADA:
No Regime Democrático é salutar o “bom combate”, pautado no confronto de ideias, divergências de pensamentos, em prol da arte do bem comum coletivo, sempre apresentando soluções para as criticas e reivindicações sociais e administrativas.

No entanto, deixando de lado, promoção pessoal, demagogias e hipocrisias politicas, diante de cada perfil politico conhecido pelos eleitores. Mais um secretário de Segurança Pública e Defesa Social do RN, pede exoneração do cargo, desta vez foi o delegado federal, Caio Cesar, alegando razões de ordem restritamente particular.

Ele é o terceiro secretário de Segurança a deixar o insustentável cargo no governo de Robinson Faria. Nosso estado convive hoje com numero de homicídios, equivalentes a uma guerra civil, somente nestes três primeiros meses do ano, foram registrados mais de 600 homicídios.

Por força do destino politico, no período de sua campanha ao governo do RN, o então candidato Robinson Faria, se intitulou de “Governador da Segurança”.
Diz o dicionário que mentir “dizer, afirmar ser verdadeiro (aquilo que se sabe falso)”. Do ponto de vista filosófico o ato de mentir é um recurso para obter uma vantagem

O direito a liberdade de imprensa…!

Este artificio na Impressa é usado por muitos como instrumento para obtenção de "poder da mídia". Para chamar alguém de mentiroso é preciso ter sobre a pessoa um conjunto de informações que coloque a mentira como um ato recorrente naquela personalidade. 

Pois bem…
o blog de Fernando A Verdade publicou em sua pagina na manhã deste sábado (25) uma matéria intitulada;
Matéria essa  que fui acusado de ser “mentiroso”.dizendo em sua postagem que me pediu para posta uma matéria de cunho politico e aleguei que meu computador estava quebrado isso é fato de que ele fala o que pensa e não o que tem conhecimentos, meu computador está quebrado sim!  Quem me conhece e me acompanha sabe que essa palavra não existe no meu vocabulário profissional. meu computador estava não! está quebrado!!!
estou fazendo postagem em um computador emprestado. Esse cidadão está querendo a todo custo que nossa redação poste noticias sem credibilidade que vem por meio de grupos de whatsapp com todo respeito ao whastsapp, e isso esse moderador do blog Guamaré na tela jamais irá caluniar ou difamar ninguém sem as legitimas provas quando divulgo algo é por quer eu tenho provas. 
“O profissional da imprensa possui direito subjetivo de matriz constitucional ao sigilo da fonte e não é juridicamente possível utilizar-se de métodos investigativos sobre o detentor do direito ao sigilo para obter a identidade de quem lhe entregou a notícia, salvo quando houver um bem jurídico maior que exija proteção e seja mais importante do que o direito à privacidade do jornalista, derivado da liberdade de imprensa”
em respeito ao meu leitor vou parar por aqui porque espero com esse texto dar a polêmica por encerrada por ter outras notícias para dar ao meu público.
Continuaremos como AMIGOS mas se me chamar eu respondo...


Tem blogs na nossa região que se diz ser um blog parcial mas é totalmente imparcial através de um de seus colaboradores que Visivelmente emocionado todo dia solta uma sarcástica contra o prefeito de Guamaré. 
Um dos temas mais debatidos no jornalismo atual é a questão da imparcialidade. Para quem não sabe o que significa, trata da atuação do jornalista de forma isenta na produção da notícia ou reportagem, ouvindo os dois lados da história sem se posicionar frente ao fato. Assim, deixa para o leitor/ouvinte/telespectador ou internauta fazer suas próprias conclusões, sem induzi-lo a qualquer opinião. Mas, afinal, até que ponto isso é válido? Em síntese, quem é parcial escolhe um lado e quem é imparcial fica em cima do muro.

Enfim, ainda que esses BLOGUEIROS OU COLABORADORES tentem ser imparciais, haverá sempre um juízo de valor que os fará pender para um dos lados, mesmo que vagamente. O que, apenas reforça que a dita imparcialidade, está longe de ser obtida, que nunca será obtida. É possível, ainda, burlar uma regra máxima do jornalismo e escrever um texto totalmente parcial sem utilizar um único adjetivo.

Assim, a parcialidade e a imparcialidade, no jornalismo, são duas irmãs briguentas. Mas os jornalistas, contudo, devem buscar a imparcialidade ao máximo, ainda que não seja possível alcançá-la. Nas revistas semanais, percebemos facilmente que há uma contaminação de gênero opinativo em espaços que deveriam ser apenas destinados a informação, ação que chamamos de editorialização. Ou seja, são espaços que deveriam ser exclusivamente informativos, porém acabam sendo opinativos.

O QUE É OPOSIÇÃO POLITICA:

Na democracia, o papel da oposição é claro: Fiscalizar a administração, os atos dos governantes, atuar como agente capaz de aperfeiçoar proposições de governo, ser catalisadora das demandas e insatisfações populares e, de certa forma, ajudar o governo a errar menos e administrar melhor, criticando, apontando equívocos e incongruências, destacando as consequências de desacertos e denunciando erros e omissões.

É preciso esclarecer a todos e deixar bem claro o que é um grupo de oposição. Oposição competente contribui para se alcançar o objetivo da ação política. Além disso, deve ser propositiva e apresentar caminhos diferentes dos atuais para garantir maior eficiência do setor público e possibilitar o constante crescimento nacional. Na nossa cidade não se pode pensar diferente. O que estamos vendo é um verdadeiro palanque que ainda monta contra a atual administração, já se tornando vinculado um grupo opositor. 

Não trabalhar para prejudicar o povo que faz parte do grupo "A" ou "B", mas não é por isso que devo deixar de lado as questões sociais, as coisas erradas, a falta de politicas públicas. Um grupo de oposição está no papel de cobrar com responsabilidade pois exerce cargo público e sabe como é difícil administrar. Oposição tem que acreditar no diálogo, no planejamento e na cooperação. Está na hora dos vereadores de Guamaré deixar de brincar de faz de conta e saber que a gestão municipal tem que ter a consciência que o prefeito é de todos, ou melhor, a politica pública é um direito de todos.

Na verdade é preciso aprofundar as discussões no desemprego, na segurança, nas drogas, nos alcoólatras, na falta de água, na infraestrutura, na inclusão dos jovens, no esporte como resultado, em uma educação mais seria, todos foram eleitos para isso. Aceitem que não é com brigas que se realizam avanços, aproveitem a oportunidade que o povo lhe entregaram e tirem lições e façam melhor. Não podemos mais ficar nessa guerra ridícula de culpados. Vamos olhar para frente e fazer uma administração com avanços e modernidades, sem picuinhas e acima de tudo amando ao próximo como a si mesmo, suportando uns aos outros para que o nosso gestor possa fazer de nossa cidade um lugar bem melhor de se viver. 
Hoje, qualquer opinião que se emita sobre o que está acontecendo desde do final e decorrer desta semana em presidio do RN com relação as rebeliões e mortes de facções contra facções, seja a favor ou seja contra, seja de crítica ou seja de apoio, será sempre entendida e julgada pelo viés ideológicos. Não adianta negar que o estado ficou dividido entre os que morreram e os que estão vivos.

Essa atitude dos apenados de forma brutal e violenta só causa medo, preocupação, desconforto e insegurança a população. Muitos emails tem chegado em nossa redação perguntando porque nosso blog não divulgou nada sobre a situação.

Explicação:

Palavras erradas costumam machucar para o resto da vida, já o silêncio certo pode ser a resposta de muitas perguntas… Estive no local como blogueiro para fazer reportagem e levar através da mídia ao conhecimento do mundo o que estava acontecendo, em nosso estado mas fui impedido pelos manifestantes.

O ocorrido que aconteceu comigo é um atentado contra a liberdade de imprensa e ao direito à informação, uma afronta ao estado de direito, no qual todos nós da imprensa local nos sentimos atingidos. Eles não queria a participação da impressa local queria apenas a impressa estadual/nacional e nos impediu de fazer qualquer tipo de reportagem ou filmagem. É impressionante a forma de pensar de algumas pessoas, não sabemos se elas estão certas ou errados, ou vice e versa.

Em relação ao que está acontecendo nos presídios do Brasil: Se as autoridades não autorizam a invasão pela polícia é taxada de inoperante e incompetente. Se as autoridades autorizam a invasão é taxada de irresponsável por ferir princípios dos "direitos humanos". 
SIMPLES ASSIM... 
HOJE APRENDI QUE VIVER É SER LIVRE, E QUE TER AMIGOS É NECESSÁRIO, APRENDI QUE O TEMPO CURA, QUE LUTAR É MANTER-SE VIVO, QUE DECEPÇÃO NÃO MATA, QUE HOJE É REFLEXO DO ONTEM, QUE VERDADEIROS AMIGOS PERMANECEM, QUE A DOR FORTALECE, QUE A BELEZA NÃO ESTÁ NO QUE TEMOS, MAS SIM NO QUE SENTIMOS!.

O SEGREDO DA VIDA É VIVER, LUTE, SONHE, PERDOE, CONQUISTE CADA SEGUNDO POIS, NA VIDA NÃO HÁ RETORNOS: 
SÓ RECORDAÇÕES. SE ALGUM DIA ALGUÉM LHE DISSER QUE SEU TRABALHO NÃO É DE UM PROFISSIONAL, LEMBRE-SE: AMADORES CONSTRUÍRAM A ARCA DE NOÉ E PROFISSIONAIS CONSTRUÍRAM O TITANIC. PORTANTO, ANTES DE RECLAMAR, LEMBRE-SE, NÃO SOU PERFEITO, MAS PROCURO A PERFEIÇÃO.
A gestão do prefeito Hélio tem trabalhado incansavelmente por uma melhor qualidade de vida da população. Todo o trabalho realizado pela gestão do prefeito, ao longo de sua gestão, simboliza o compromisso de sua administração com todas as camadas da sociedade, independentemente de cor, raça, partido, religião, etc. O prefeito Hélio foi eleito e reeleito para administrar Guamaré por inteira, e disso ele sempre teve plena consciência.

Ele trabalhou e continua trabalhando, até o último dia de gestão para fazer pelo município o que a população espera, deseja e merece. Hélio chegou a ser subestimado que não reassumiria a prefeitura, mas quem teve coragem e determinação para derrotar poderosas oligarquias que se reversavam no poder, não tem o direito de ter a alma pequena, mas tudo isso ficou para trás, porque a resposta das pessoas humildes que o elegeram e reelegeram lavou a sua alma. A gestão do prefeito, não perseguiu, nem descriminou quem quer que seja.

Mas isso não significa dizer que a gestão não teve prioridades políticas e administrativas no tocante aos investimentos que doravante foram feitos pela prefeitura. Hélio priorizou sim investimentos em todos os setores da área social, entre as quais podemos citar saúde, educação, habitação, infraestrutura, formação profissional com vistas a qualificar nossos jovens, entre outras áreas. Aliás, qualificação tem sido também uma prioridade, tendo em vista que sem preparo técnico adequado, as pessoas não conseguem emprego, principalmente pelo surto de desenvolvimento econômico porque atravessa os municípios brasileiros. Portanto, investir no social, criar e fomentar políticas compensatórias para beneficiar os mais carentes tem sido uma preocupação da gestão.

E o prefeito tem se preocupado com isso, principalmente quando se enfrenta uma crise econômica internacional cujos efeitos negativos infelizmente atingiram também o município. Diante dessa realidade, a administração concentrou força, coragem e determinação para minimizar o sofrimento do povo mais carente, notadamente, quando se sabe que Guamaré é um município que vem sendo reconhecido nacional e internacionalmente pela sua história e pela sua cultura. É fundamental frisar, que um dos principais compromissos do prefeito, foi o de trabalhar pelos que mais precisam do poder público. Dar a eles a oportunidade de cidadania plena, que significa melhor saúde, melhor escola, melhor moradia, melhor educação, além da certeza de uma prefeitura aliada e parceira.

Hélio, assumiu e cumpriu esse compromisso com os mais necessitados de apoio por parte dos governantes. Compromisso que não foi só dele, mas de toda sua equipe de auxiliares. Vale lembrar, que o sonho do povo de Guamaré de ter um prefeito compromissado com o município, foi mais que uma realidade. O prefeito inclusive tem agradecido a participação de todos nessa missão de constituir uma sociedade mais fraterna e mais justa. Não esquecendo de todas as entidades sociais que são entes vivos de qualquer sociedade, e que Guamaré precisava muito mesmo da participação de todas elas.

O prefeito sempre esteve preparado para ser prefeito, e como tal, jamais guardou rancores ou revoltas, como outros fizeram e fazem. Ele somou sim, estendendo suas mãos amigas a todos quanto queriam ombrear com ele nessa árdua, porém, nobre missão de continuar resgatando a dignidade social da nossa gente mais humilde e sofrida. Todos os servidores, bem como toda população, têm em Hélio um companheiro amigo de todas as horas, como sempre foi em toda sua gestão e vida cotidiana.

Aos empresários locais, Hélio foi um aliado que dentro da legalidade, facilitou a vida de quem queria investir ou que já estivesse investindo no município de Guamaré. Pelo contrário, não foi concorrente de qualquer um deles que queria investir, trabalhar, gerar emprego e renda neste município. O prefeito também jamais esqueceu de agradecer a sua vice-prefeita, aos vereadores, a cada trabalhador e trabalhadora, a cada cidadão, a cada servidor Guamaréense que confiou e continua acreditando no seu projeto para Guamaré, acima de tudo, agradecer a Deus, porque sem ele, nada teria acontecido.

A cidade de Guamaré e seu povo viveu momentos difíceis desde a campanha, quando Hélio disputou a prefeitura com o registro de sua candidatura impugnado (INDEFERIDO).

O sufoco piorou mais ainda quando no último dia 06 de dezembro uma decisão do TSE mudou o curso da história, onde por decisão monocrática o ministro Herman Beijamim tirou o gosto e o poder da soberania popular mantendo o resultado de 1ª e 2ª instância, confirmando o indeferimento de registro de candidatura de Hélio de Mundinho, prefeito reeleito do município de Guamaré.

Mas com a decisão do ministro do TSE Napoleão Maia Nunes Filho, que proferiu liminar para diplomação e posse de Hélio e Iracema, hoje a nossa cidade vive momentos de glórias com o prefeito e a vice, eleitos democraticamente sendo diplomados pela justiça.

Com os números atualizados no site do TSE, HÉLIO WILLAMY MIRANDA DA FONSECA, E IRACEMA MARIA DE MORAIS AMBOS DO (PMDB), aparecem como prefeito e vice-prefeito reeleito no município de Guamaré, sendo os mais votados com 6.249 votos. Agora, tirada a prova dos nove, já sabemos com tranquilidade quem vai administrar nosso município a partir de 2017. 




Na dinâmica política nos dias de hoje “ameaça e chantagem” faz parte do perfil pessoal de políticos obsoletos na sua ultrapassada fórmula para promoverem entendimentos nos impasses políticos administrativos.

Porém, um entendimento político tem que ser pautado na força do diálogo, poder de convencimento, travestido na lealdade e coerência política partidária, deixando de lado à nefasta força da opressão.

Afinal, no regime democrático todos sabem que o bônus do poder é transitório e passageiro, neste desafio administrativo eleitoral, muitos políticos arrogantes e prepotentes conhecem de perto o dissabor do ostracismo político...
Às vésperas da posse dos eleitos, no último pleito de 02 de outubro, nossa cidade e nosso povo vive um quadro de insegurança política que precisa ser colocado na agenda. Vivemos uma insegurança do quadro eleitoral causada diretamente pela disputa eleitoral.

A decisão do ministro Herman Beijamim do supremo tribunal eleitoral colocou nossa cidade numa situação política vivida pela primeira vez, há 64 anos de sua emancipação. Isso nunca aconteceu em nossa terra.

Há pouco mais de dez anos nosso povo sofreu com uma desertabilidade política com um entra e sai de prefeitos, e agora pela primeira vez na na história, nossa cidade entra o ano sem nenhuma perspectiva política e novamente terá dois prefeitos: um temporariamente eleito e afastado e outro interinamente empossado.

Essa situação provisória cria dúvidas sobre possíveis limites para a atuação de um gestor. O presidente que será prefeito em exercício pode sancionar leis? Pode trocar secretários? E mudar políticas econômicas? Além disso: políticos, empresários e integrantes de movimentos sociais e a própria população vão confiar nas decisões de um presidente prefeito com um mandato temporário?

Juristas apostam que a posse do prefeito eleito poderá acontecer dentro do previsto, mas com a posse dos eleitos se encerra a disputa política? Ela ainda precisa ser julgada pelos tribunais. Em quanto isso não acontece, o presidente que for eleito dia 1º de Janeiro de 2017 tem todos os poderes de um prefeito, enquanto Hélio Willamy vai ficar a espera de julgamento.

As aflições quanto ao cenário de insegurança vividos por toda a população continuam, gerando problemas e insatisfação, no entanto, essas adversidades servem para unirmos forças que garantam respostas imediatas da justiça a população.
Sol escaldante chega a tremer. Árvores inertes, triste de ver! Cactos ornamentam a paisagem sombria. Nenhum passarinho pra minha alegria...  Sem água os açudes, sem brilho a natureza. A nossa caatinga perdeu a beleza! Só ouço o barulho de carros a passar uns pelos outros, sem se saudar. E eu cá com meus botões matutando meu pensar: O que será de todos nós se o inverno não chegar?
O processo democrático nas escolhas dos diretores e vice-diretores, nas escolas públicas do nosso município, parece que não decolou eleitoralmente, poucos são concorridos ao pleitos, nada divulgado.
Na sua maioria não apresentaram a impressa local as candidaturas, deixando de lado os debates em prol de uma comunidade escolar participativa e democrática, compromissada socialmente, dividindo responsabilidade entre todos que compõem essas entidades públicas.
Um desabafo com  ressaca das "palavras"!

Quando se ganha uma eleição, a vitória tem vários pais; mas a derrota é órfão de pai e mãe. E é na derrota que a gente conhece quem são seus verdadeiros amigos e quem usa máscaras.

Não vivo procurando culpados por não ter sido eleito vereador. Apenas agradeço a Deus, e ao povo pelos 288 votos, pois as coisas acontecem no tempo dele; nosso Ser Supremo. Ele sabia que não era a melhor hora para mim administrar um mandato de vereador! 

Mas vamos em frente! Ainda bem que o povo de Guamaré me conhece bem em eleições. E nessa não foi diferente: todos viram o quanto lutei, me empenhei, enfim... dei tudo de mim como sempre fiz em todas minhas eleições que disputei. Se a maioria quis assim, é preciso respeitar a vontade do povo. E em nenhum momento me senti e me sinto rejeitado em razão do resultado nas urnas.

Embora tenha pago o preço maior, não baixei a cabeça, pois esta rejeição não foi minha... Vamos em frente e a verdade e a vontade do povo sempre prevalecerá. Comentários infelizes, inoportunos, maliciosos e desqualificadores, sempre aparecem. Afinal, teremos outros pleitos em que o povo vai me avaliar em outras circunstâncias e aí veremos quem está falando a verdade e quem está balbuciando "pérolas".

Avante, e mais uma vez, meu muito obrigado pela excelente votação, meus queridos amigos de Guamaré! Um forte abraço, BARRETO.