Passando pela Blogosfera estadual observei uma matéria que fez lembrar essa frase. "Na nossa cidade de Guamaré tem gente que chora por que apanham e outros por que não lhe batem". veja como anda a saúde pública no Brasil.

Que é uma questão que necessita de mais atenção dos órgãos competentes. Mas, em São Francisco do Oeste aqui no Rio Grande do Norte a coisa está pior que se imagina. Há oito meses que uma gari da prefeitura de São Francisco do Oeste não recebe autorização da secretaria municipal de saúde para submeter-se a um exame de ultrassonografia.

A realidade de São Francisco do Oeste mostra um município desestabilizado onde as políticas públicas são incoerentes e desrespeitam a sociedade. Alem de vergonhoso é falta de respeito com os munícipes.

EM QUANTO ISSO GUAMARÉ VAI TRABALHANDO PARA FAZER UMA SAÚDE COM MAIS POLITICAS PUBLICAS PARA A SUA POPULAÇÃO VEJA E COMPARE!!
Em quanto a Prefeitura de Guamaré deu mais um salto na melhoria da saúde pública no município, e a cada dia está qualificando mais os trabalhos do setor de da saúde publica. Como o centro cirúrgico, com cirurgia de alta complexidade. com vários tipos de especialidades, com um centro de odontologia equipado que foi recentemente inaugurado. Com mais aquisição de ambulâncias equipadas, para transporte de pacientes. com a reforma da Unidade de Pronto Atendimentos (U.P.A), e a inauguração da Unidade Básica de Saúde, (U.B.S) no Distrito de Baixa do Meio, e outra (U.B.S) no assentamento Santa Maria III,com as reformas dos (P.S.F)s I e II na sede do município.

Um posto de saúde completamente equipado e em pleno funcionamento no distrito de salinas da cruz. Os (P.S.F)nos assentamento lagoa de Baixo, Marizeiro, santa Paz, e nas comunidades de Lago seca, Mangue seco I, e II todos completo de tudo, com Farmácia da gente com Remédio Grátis para toda população. O Hospital Manoel Lucas de Miranda aberto 24hs atendendo Urgências e emergências.

Ainda tem gente que não ver ou não consegue enxergar centro Cirúrgico atingindo a marca de 1.370 cirurgias com nível zero de intercorrências Inaugurado há pouco mais de dois anos, O detalhe é que o nível de intercorrências nesses procedimentos foi de zero por cento. A intercorrência médica é o termo que define a ocorrência de um evento inesperado em um procedimento médico, que não poderia ser em geral previsto ou alertado ao paciente.

A notícia é animadora para toda a equipe médica do Centro Cirúrgico, onde a prefeitura investiu cerca de R$ 500 mil com recursos próprios para equipá-lo. Referência em baixa e média complexidade Desde a sua inauguração, o Centro Cirúrgico tornou-se referência em procedimentos de baixa e média complexidade, não apenas para a cidade, mas para a população dos municípios das regiões do Mato Grande e Salineira que procura pelos serviços. O hospital é o primeiro no setor público do interior potiguar a oferecer esse tipo de atendimento.

A Secretaria Municipal de Saúde computa a média mensal de 160 procedimentos cirúrgicos, divididos nas duas salas que compõem o Centro Cirúrgico. “A nossa gestão investe continuamente nesse serviço, vencendo os desafios com a eficiência da equipe médica e observando os avanços da medicina com as novas tecnologias”, destacou o prefeito Hélio Willamy. Saldo positivo Durante pouco mais de 24 meses em atividade, o Centro Cirúrgico de Guamaré atendeu casos de cirurgias herniorrafias, colecistectomias, histerectomias, ooforectomias, parto por cesariana, cirurgias otorrinolaringológicas, proctológicas, mastológicas e urológicas.

As cirurgias ortopédicas de ombro, joelho, ginecológicas, correção cirúrgica de fraturas e de túnel do carpo também já são feitas na cidade, a exemplo do que acontece com os casos de indicação cirúrgicas nas áreas ginecologia, cirurgias vasculares e otorrinolaringológicas. Videoartroscopias já são feitas em Guamaré

“A determinação do prefeito Hélio Willamy é que a gente busque soluções para resolver até 90% dos casos que chegam, sem que o paciente tenha que se deslocar para Natal em busca de atendimento médico”, revelou Adriano Diógenes, lembrando que nesse mês de maio o Centro Cirúrgico já começou a realizar as videoartroscopia, inicialmente de joelho. Asscom/PMG
 Um dia intenso, importante e rico em debates. Assim foi a oficina organizada pelo Conselho Pastoral dos Pescadores que teve como tema “OFICINA TERRAS PÚBLICAS”. Ocorrido neste final de semana nos dias  19, 20 e 21 de maio de 2017, o encontro trouxe para o debate:
Oficina terras públicas, com o intuito de potencializar a atuação de regularização e destinação das áreas em terras públicas federais.

A oficina teve o objetivo de aprofundar junto aos pescadores e pescadoras, agricultores e agricultoras a proposta do projeto de lei de iniciativa popular e conhecer a realidade dos pescadores e pescadoras do nosso estado. A equipe de trabalho foi composta pelos Assessores Jurídicos da CPP Dr, Lucas Vieira e Drª, Ornélia. A oficina foi muito rica pela presença de inúmeras comunidades que vieram dos municípios do Rio Grande do norte e entorno.

Durante a oficina, foram apresentados os objetivos da Campanha Nacional pela Regularização dos Territórios das Comunidades Tradicionais Pesqueiras, o processo de construção da Campanha e depois foi aprofundada a discussão sobre as leis que fundamentam e o próprio projeto de lei proposto. Ponto alto foi o momento de discussão da tradicionalidade e importância das comunidades pesqueira como também o levantamento e mapeamento dos conflitos. 

Para o secretário de pesca Edivan Barreto, a oficina é realizada na melhor fase do programa e aumenta a expectativa de dar passos mais largos. “Nós saímos da UTI e nossa vida agora é longa! Essa é uma grande oportunidade de nos organizarmos e nos apresentarmos lá fora de maneira transparente. É uma tarefa audaciosa e vamos todos contribuir nessa causa justa que envolve sustentabilidade, questão econômica e social.
Ao final vamos retornar para casa com a certeza de atingir nossos objetivos”, explica o secretário.

Ao fim dos trabalhos, os presentes decidiram pelos seguintes encaminhamentos:

Realização de encontros e uma oficinas a ser realizada na cidade de Guamaré no dia 14 de Julho de 2017, para continuidade dos debates.






Você já deve ter cruzado na rua com pessoas “doidas” falando sem parar ou resmungando consigo mesmas. Isso não tem nada de diferente do que acontece com você e com outras pessoas “normais”, exceto que vocês não falam alto. A voz comenta, especula, julga, compara, desculpa, gosta, desgosta, etc. A voz não precisa ser relevante para a situação do momento, pois ela pode estar revivendo o passado recente ou remoto, ou ensaiando, ou imaginando possíveis situações futuras. Neste último caso, ela imagina sempre as coisas indo mal e com resultados desfavoráveis. É o que se chama de preocupação. Às vezes, essa trilha sonora é acompanhada de imagens ou “filmes mentais”.

Mesmo que tenha alguma relação com o momento, a voz será interpretada em termos do passado. Isso acontece porque a voz pertence à mente condicionada, que é o resultado de toda a nossa história passada, bem como dos valores culturais coletivos que herdamos. Assim, vemos e julgamos o presente com os olhos do passado e construímos uma imagem totalmente distorcida. Não é raro que a voz se torne o pior inimigo de nós mesmos. Muitas pessoas vivem com um torturador em suas cabeças, que as ataca e pune sem parar, drenando sua energia vital. Essa é a causa de muita angústia e infelicidade, assim como de doenças.

VOCÊ NÃO É A SUA MENTE:
Boa notícia é que podemos nos libertar de nossas mentes. Essa é a única libertação verdadeira. Dê o primeiro passo nesse exato momento. Comece a prestar atenção ao que a voz diz, principalmente a padrões repetitivos de pensamento, aquelas velhas trilhas sonoras que você escuta dentro da sua cabeça há anos. É isso que quero dizer como “observar o pensador”. É um outro modo de dizer o seguinte: ouça a voz dentro da sua cabeça, esteja lá presente, como uma testemunha. Seja imparcial ao ouvir a voz, não julgue nada. Não julgue ou condene o que você ouve, porque fazer isso significaria que a mesma voz acabou de voltar pela porta dos fundos. Você logo perceberá: lá está a voz e aqui estou eu, ouvindo-a e observando-a. Sentir a própria presença não é um pensamento, é algo que surge de um ponto além da mente.
Com a viagem do  prefeito de Campo Redondo, Alessandru Alves (PROS), que embarcou para Brasília onde participará da XX Marcha em Defesa dos Municípios, que acontece a partir desta segunda-feira (15).

Com a viagem administrativa do prefeito a vice-prefeita Silvania Karla (PROS), assume interinamente o município. Logo cedo a prefeita interina já estava despachando no gabinete e se reuniu com secretários.

Esta é a primeira vez que Silvania assume a gestão. A Macha dos Municípios segue até quinta-feira (18) e reunirá prefeitos e vereadores de todo o Brasil. Na pauta, as reformas que estão em discussão no pais vão nortear o debate.
Se chorei ou se sofri, o importante é que as emoções eu sentir. Um show para ficar na história e um presente para Natal e para todos que foram a esse belíssimo Show do maior e melhor cantor do nosso Brasil.
Clik aqui e veja mais fotos