“Novo aeroporto será elefante branco se o Estado não se tornar um exportador”

Conhecido pelo seu grande conhecimento sobre desenvolvimento econômico, o ex-deputado federal Ney Lopes afirmou, em entrevista a’O Jornal de Hoje, que se preocupa com a utilização do novo aeroporto do Rio Grande do Norte, localizado em São Gonçalo do Amarante (Grande Natal). O motivo é que o equipamento poderá se tornar um “elefante branco” se o Estado não reassumir seu papel de exportador, aproveitando, para isso, seu potencial local e sua posição geográfica.
“O aeroporto Aluízio Alves será inviável se não tiver ao lado uma área econômica especial, englobando vários municípios, tudo de acordo com o modelo global, que levou ao desenvolvimento inúmeros países, a começar pela China”, afirmou o ex-deputado, acrescentando que só o turismo jamais dará ao novo aeroporto a viabilidade que ele precisa. “O turismo representará, no máximo, 15% da capacidade total dele”, acrescentou Ney Lopes.
Segundo o ex-deputado, é importante lembrar que o aeroporto está localizado em área geográfica privilegiada, a mais próxima da Europa, África e canal do Panamá, na América Latina e no Caribe. “Usar o aeroporto de São Gonçalo do Amarante como polo exportador e turístico é o caminho racional para não prosperar o engodo e a enganação de uma ZPE isolada em Macaíba, como vem sendo anunciada, na qual foi privatizado até o manejo e a oferta de impostos federais, estaduais e municipais. Capital e lucro não podem ser fiscais de si próprios, com veda a Constituição, mesmo com a palavra final sendo do governo”, analisou.